Desenvolvimento Embrionário

A fertilização é um processo que começa com o contato dos espermatozoides com os óvulos. Após este contato ocorre a entrada do espermatozoide no interior do óvulo seguido da união do núcleo do espermatozoide com o núcleo do óvulo. O resultado e a formação de um novo ser, com apenas uma célula, começando a partir daí o processo fantástico e maravilhoso de divisão celular que formara um individuo completo.

Dentro do laboratório de reprodução assistida a fertilização pode ocorrer de duas formas: a primeira forma é a chamada fertilização “in vitro” clássica; nesta modalidade aproximadamente 50 a 100.000 mil espermatozoides são colocados muito próximos a um óvulo em uma placa de cultivo celular. Nesta situação é o espermatozoide que sozinho penetra no óvulo.

A segunda forma que um laboratório de reprodução assistida tem de fazer a fertilização é uma tecnologia mais atual chamada injeção intracitoplasmática de espermatozoide ou simplesmente ICSI. Nesta técnica, que é atualmente a mais utilizada em todas clinicas pelo mundo, o espermatozoide é injetado dentro do óvulo através de uma agulha acoplada a um micromanipulador de gametas. Com esta técnica a probabilidade de falha completa de fertilização é ainda mais rara. Isto faz com que esta técnica torne-se obrigatória em casos de sêmen de baixa qualidade e contagem de espermatozoides. Como, na maioria dos laboratórios de fertilização “in vitro” em todo o mundo esta é a técnica de escolha da CLINICA VITA.

Após realizar uma destas técnicas espera-se colocam-se os óvulos dentro da incubadora e espera de 16 a 18 horas para observar e confirmar se ocorreu a fertilização. Isto e feito visualizando os pro-núcleos masculino e feminino – este é o sinal de que houve a fecundação. Portanto, é a presença de dois pro-núcleos que evidência que o óvulo foi fertilizado. Esta visualização é feita um dia depois da punção. Quando se visualiza numero maior ou menor de pro-núcleos caracteriza-se uma fertilização anômala que pode resultar em um desenvolvimento fetal com malformações.

Em geral, a taxa de fertilização gira em torno de 60% dos óvulos maduros colhidos; portanto se tivermos 10 óvulos maduros espera-se uma fertilização de seis. No entanto, esta taxa é bastante variável e depende de inúmeros fatores como: idade da mulher, tempo de infertilidade, número de tentativas, qualidade do espermatozoide, qualidade dos óvulos e do laboratório. Um dos riscos da fertilização “in vitro” é a falha completa de fertilização, ou seja, nenhum dos óvulos fertilizarem e nesta situação não se terá embrião para transferir e o ciclo será finalizado, porem os custos do procedimento serão mantidos uma vez que independente da vontade da clinica a fertilização e uma obra do acaso.

A divisão celular nos embriões é chamada de clivagem. Em geral, 80% dos óvulos fertilizados conseguem clivar ou se dividir. Portanto de 10 óvulos maduros, em média seis conseguem fecundar e destes seis 4 a 5 conseguem se dividir. Mas, novamente estes valores são muito variáveis.

Geralmente, dois dias depois da punção ovariana os embriões com divisão normal deveriam estar com duas a cinco células, três dias depois de 6 a 8 células, quatro dias depois em torno de 20 células e no quinto dia em torno de 120 células.
TOP