Videohisteroscopia Cirúrgica

A videohisteroscopia cirúrgica somente complementa o achado da histeroscopia diagnóstica. Possibilita uma cirúrgica minimamente invasiva, sem cortes, lesando o mínimo possível o útero e tratando as diversas patologias do canal endocervical e cavidade endometrial com varias vantagens para o paciente. É realizada em ambiente hospitalar sob raqui-anestesia que tem duração de aproximadamente 1-2 horas. Após faz-se uma dilatação no canal do colo uterino como realizado em curetagens e passa-se um aparelho de histeroscopia de calibre maior, normalmente de 7-10mm que permite a passagem de instrumentos para à realização cirúrgica.

Vantagens:

- Menor tempo de internação (média de 12hs);
- Volta às atividades, tanto física como ocupações de rotina precocemente, podendo fazer exercícios após 48hs da realização da cirurgia;
- Pequena dor no pós-operatório que melhora rapidamente com analgésicos comuns;
- Menor risco de complicação que uma cirurgia convencional (corte);
- Melhor efeito estético devido ausência de cortes;
- Preserva o útero;
- Retira-se completamente a lesão sobre visão direta;
- Não usa pontos cirúrgicos;
- Menor trauma cirúrgico;
- Menor dano à fertilidade.

Indicações:

- Abordagem dos pólipos endocervicais;
- Abordagem dos pólipos endometriais;
- Abordagem dos miomas submucosos;
- Abordagem da sinequias (aderências) intra-uterina;
- Retirada de corpos estranhos intra uterino (DIU, ossos, fios de cicatrização de cesária);
- Abordagem das más formações uterinas, principalmente septo uterino parcial ou completo;
- Ablação de endométrio (retirada do endométrio) - retira-se o forro interno do útero, tratando com um índice de sucesso de 85% a 90% os sangramentos uterinos que no passado eram tratados de forma radical com a retirada do útero (histerectomia).
TOP